terça-feira, 29 de maio de 2012

Este é um mal negócio ou Este é um mau negócio? A garota se saiu mal na prova? ou A garota se saiu mau na prova?

  Eis aí expressões que às vezes nos confundem no momento de empregá-las corretamente, pois são palavras homófonas, ou seja, possuem o mesmo som, embora denotem sentidos diferentes.


  Quando usar Mau? No momento em que houver possibilidade de substituirmos pela palavra Bom, que é o seu antônimo.
  
  E quando usar Mal? Somente quando puder ser substituído por Bem. Muito simples, não?

segunda-feira, 28 de maio de 2012












Eu arriscaria minha vida para sentir seu corpo junto ao meu!



É, por onde anda você? A saudade insiste em bater na minha porta. Ela é minha acompanhante por onde quer que eu vá. Por onde quer que eu passe algo me lembra você.É muito ruim sabia? Você não tem noção. Preciso fazer a limpa aqui nesse quarto, nesses sentimentos ruins que insistem em me fazer chorar. Eu sei que o tanto que eu escrever aqui, não irá lhe dizer tudo que sinto, e até mesmo poder expressar. Mas sei que o papel e caneta poderei me expressar sem ser julgado, melhor do que contar para as pessoas e elas não me entender ou pouco se importar com essa dor que estou sentindo. Acho que demorarei muito para recuperar e acostumar com a sua ausênciaenquanto isso o irei escrevendo para ver se alivia um pouco desse sofrimento ou talvez para que ache uma solução que cure esse vazio que você deixou dentro de mim.  
     — Rodrigo Henrique



Ele: Alô ? 
[Ele atende o telefone com um certo descaso]
Ela: Oi.
Ele: Olha, eu não tô muito afim de falar. 

Ela: Então só me escuta, pode ser ? 
Ele: Ta.
Ela: Não fala nada até eu terminar
[Silêncio]
Ela: Olha, eu não se eu deveria estar fazendo isso, se eu deveria mesmo me expôr desse jeito. Se eu tinha mesmo que te ligar e falar tudo isso que eu vou falar agora. Pode ser que alguma coisa mude pra você ou pra mim, talvez pra nós, pode ser que continue a mesma merda. Pode ser que você nem mesmo preste atenção, pode ser que a ligação caia e eu nem perceba. Enfim, é tão bizarro quando as pessoas falam pra eu te esquecer, pra eu te deixar de lado porque você não merece o que eu sinto ou o que eu tento fazer por você, mesmo que não seja muita coisa, mas não é fácil. Eu já até pensei em desistir mesmo, em fingir que nada disso nunca existiu, que nunca gostei de você e que você não mudou minha vida nem um pouco, na verdade, eu tenho muita vontade de fazer isso, mas é tão sei lá, surreal, sabe ? É quase impossível, possível, mas não provável, não te procurar durante o dia, não olhar meu celular o tempo todo pra ver se tem uma mensagem, uma ligação, um sinal de que você me procurou e que teve vontade de falar comigo. Eu já disse que não sei por que tô dizendo tudo isso ?
[Silêncio]

[Suspiro]
Ela: Você me fez mudar tanto. - ela reiniciou. - Você mudou tanta coisa na minha vida, e ás vezes eu paro do nada e penso: “Cara, eu tô gostando MESMO!” Aí eu lembro que tinha tanto tempo que eu não sentia isso, que eu não sentia tão bem quanto eu me sinto e que alguém não me fazia tão bem quanto você me fez. Mesmo que você ligue só pra me xingar, porque eu sei que no fundo, tudo isso é amor. 
[Outro Suspiro]
Ela: Eu sei que eu já disse várias vezes que não acreditava no que você me falava, e pra ser bem sincera, diversas vezes, eu não acreditei mesmo, e as vezes, ainda acredito desacreditando. Eu tenho medo de gostar demais e depois ver que aquele “demais” não valia tanto a pena. E ás vezes eu acho que você tem medo também. Sei lá, você é tão diferente de mim, e ás vezes é tão igual. Ás vezes você fala o que tá sentindo e de repente se fecha. Eu não consigo entender. Eu não consigo TE entender. Mas de repente não importa se eu te entendo ou não. O que importa é que você tá lá pra, pra mim. Talvez não só pra mim, mas você tá lá. Eu não sei de muitas coisas do teu passado e nem faço questão de saber. Só queria saber se tem espaço pra mim no teu presente e no teu futuro.
[Silêncio]
Ela: Se você quiser desligar, eu vou entender. Enfim, acabei.
[A campainha toca]
Ela: Vou desligar. Tem alguém aqui, beijos.
[Ela abre a porta]
Ele: Eu precisava vir aqui. Só pra dizer que te amo. - Diz o garoto com o telefone em mãos. 

Mas esconder os sentimentos, não apaga uma história!